terça-feira, 21 de maio de 2013

Texto da Semana - "Expectativas"

     Oi Mademoiselles, já faz um tempo que eu acompanho um site que chama Casal Sem Vergonha. Este é um site para maior de 18 anos que da varias dicas sobre relacionamentos, amizade, sexo ou seja sobre a vida. 
     Sei que muita de vocês podem não ter mais de 18 anos ou tem medo e receio de entra no site por causa do nome, mas eles tem textos super bacanas que me agradam muito e eu que como todo mulher tenho minhas inseguranças e duvida depois de ler acabo sempre descobrindo coisas novas ou até mesmo prestando mais atenção em pequenos detalhes que antes passavam despercebidos ou era irrelevantes.
     E foram essas mudanças que eu senti e percebi com os textos que eu quero que vocês também tenham a oportunidade de ter, então sempre que eu ler algum texto ou dicas legais no site, vou postar aqui para vocês. Ah lembrando sempre que os textos não são meus, são retirados do Site Casal Sem Vergonha.

"Pelo Fim das Expectativas – Ele Não É  (E Nem Precisa Ser) O Que Você Espera"


     "Quanto maior a sua expectativa, maior o risco de se decepcionar. É a matemática da vida e, por mais que a ideia seja um tanto desanimadora, é um pensamento que permeia demais o mundo dos relacionamentos. E em muitos, muitos casos, o define. Quando conhecemos alguém, é normal imaginar quem aquela pessoa é. De onde ela vem, quais são seus gostos, suas expectativas com relação à vida. Quando você está interessado nesta nova pessoa, então, este processo é muito mais intenso.
     Até porque todos nós temos aquilo que chamamos de homem/mulher ideal. Baixo, alto, gordo, magro, mais intelectual, mais atlético, que goste de sair muito, que odeie baladas. Somos pessoas diferentes, queremos coisas diferentes. Mas todos queremos alguma coisa. E, quando conhecemos um alguém, ele frequentemente se encaixa em parte destes requisitos. O que faz com que, do alto de nossa cegueira apaixonada, tenhamos a tendência de achar que a pessoa se encaixa em todos eles.
     E aí é que criam-se as maiores expectativas em um relacionamento. Ele te ligou? Ótimo, mas isso não quer dizer que ele queira namorar você. Você se conheceram na melhor balada da cidade? Ela pode ter ido só uma vez dentre dezenas de finais de semana de pijama em casa. E por aí vai, até que estes moldes mais superficiais se transformem em potencial para decepções muito mais profundas.
     Isto porque a nossa mente é uma armadilha, e ela não para de criar esperanças só por causa de meia dúzia de frustrações. Do mesmo jeito que o próximo carinha vai passar pelo mesmo processo dentro da sua cabeça, se o relacionamento evoluir, há grandes chances de continuar preso ao modelo que você fazia dele no começo.
     Existem pessoas que conseguem se adaptar e ser mais flexíveis a esse tipo de coisa. Isso se chama respeitar o outro, em toda a sua individualidade e complexidade. Ele é uma outra pessoa inteirinha, tão pessoa quanto você, que merece ser visto como um ser independente da visão que você tem dele. Não adianta teimar em encaixar a moça no seu modelo de namorada ideal.
     Até porque existem boas chances de ela estar fazendo o mesmo com você. Conforme a relação avança, as expectativas continuam se formando. E aí ele deveria ser mais bem presente, deveria cuidar mais de você, deveria continuar pensando em sexo tanto quanto no começo do namoro. Ou ela deveria passar mais tempo com você, valorizar a relação, fazer um esforço para gostar dos seus amigos. Eu sinto muito, mas não funciona assim. Não é questão de não ligar para o que as outras pessoas esperam uns dos outros, mas não viver escravo disso, e saber que existem pontos inegociáveis da personalidade de todo mundo.
     Num episódio da série da HBO Six Feet Under (minha preferida de todos os tempos deste mundo) Nate está brigando com sua namorada Brenda, alegando que ela não dá a atenção que ele quer, e que o papel dela é esse, que ela deveria ser seu apoio em momentos difíceis. Ao que ela responde: “Eu não ‘deveria’ ser nada.” Esta aí uma regra minha para a vida, a que eu me esforço para seguir diariamente em busca de uma maneira mais autêntica de enxergar o mundo. É difícil deixar de lado as expectativas dos outros com relação à gente, mas eu não “deveria” ser nada, eu não tenho a obrigação de ser quem os outros acham que eu sou. A minha única obrigação – e a sua também – é ser fiel a quem você é, e deixar que os outros façam o mesmo."

Este texto é da:





Beijos, Mademoiselle Carol

2 comentários:

Kleber Savoine disse...

amei...

Carol França disse...

Esse texto é otimo Kleber! Semana que vem tem outro!
Beijos, Mademoiselle Carol